Surto 59 de 3289

Eu não sei o que o mercado espera de mim. Tenho 25 anos e encontro vagas de estágio que a idade máxima contratada é exatamente essa e para alunos que estão no 3º ano. Estou no 2º ano, o que significa que quando estiver no 3º, terei ultrapassado a idade máxima exigida. Eu sei que definir idade máxima para vaga é proibido, entrei em contato com uma empresa que tinha vaga para estudantes com idade entre 18 e 23 anos, não tive retorno.

Morei um ano na Alemanha, tenho o conhecimento do idioma que uma pessoa leva três anos de curso para adquirir (curso extensivo no Brasil). Ok, fiz umas escolhas erradas, como cursar biologia por tanto tempo, mas estou correndo atrás. Tenho notas boas, bom relacionamento com os professores, faço programa de coaching e encontrei sérios pontos fracos, que estou melhorando. Nunca fiz curso de inglês, mesmo assim, meu nível é intermediário, e agora com internet, não tenho desculpas para não avançar no idioma.

Faço Relações Internacionais numa faculdade focada em Marketing, coisa que eu adoro. Tenho a promessa de que é a profissão do futuro, mas tenho que pagar as contas no presente. No máximo em três meses no crédito. As grandes multinacionais não o incluem na sua relação de cursos aceitos para estágio. Isso acontece com a 3M, Nestlé, Unilever, Procter & Gamble, entre várias outras. Meu foco em especial se tornou a Bosch, que tem lá: Administração de Empresas (marketing, comércio exterior, relações internacionais).

Já enviei alguns currículos ‘mentindo’ meu curso. Taquei lá um “Administração com ênfase em Relações Internacionais”. Colegas de classe fizeram a mesma coisa, e com eles, deu resultado. Mas estou investindo em Relações Internacionais, não em ADM (o governo investe financeiramente por mim, mas eu invisto tempo e esforço), então quero saber depois de nove semestres, que foi útil eu me dedicar à área e não que eu perdi tempo não estudando RH (matéria do curso de Administração).

Ano passado tivemos uma palestra com um diretor (não lembro o cargo nem o nome com certeza, pra falar a verdade) da Fedex e ele, não sabia o que fazia uma pessoa que cursa Relações Internacionais. Ele saiu de lá maravilhado ao perceber que ele tinha três funcionários administradores exercendo a função de UM internacionalista (ou analista internacional, que seja). O mercado não conhece nossa profissão, então, estamos disputando as vagas administrativas com os alunos de Administração, que concordo, tem muito mais concorrente que R.I.

Já surtei diversas vezes, meus professores sempre me pedem calma e para que eu não seja tão imediatista. O motivo do surto de hoje, foi o currículo de um recém-formado na minha área, com trabalho voluntário na Itália e Dinamarca; intercâmbio na França, México e Argentina; vivência em conselhos e projetos de Relações Internacionais. Como eu vou concorrer com um candidato desses? Eu trabalho, CLT sem ser na minha área, moro sozinha, pago aluguel… Morei um ano na Alemanha com um investimento de R$ 2.500,00, que aliás, ainda nem terminaram de ser pagos. Eu fui babá (e foi ótimo, não me arrependo e iria de novo). Não posso pedir para as pessoas pararem de investir na carreira de seus filhos pagando cursos no exterior. Não, pelo contrário. A questão é, como me preparar para ficar a altura desses concorrentes. Não posso pensar que estou fora do mercado por causa da minha idade, em decorrência, pouca experiência e baixos recursos financeiro.

E por favor, não encare isso como uma reclamação, apesar de ser, é só uma forma de colocar pra fora e pensar no que fazer.

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s